Warning: call_user_func() expects parameter 1 to be a valid callback, no array or string given in /home/dkamioka/kamioka.com.br/dkey/wp-content/plugins/akismet/widget.php on line 126

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/dkamioka/kamioka.com.br/dkey/wp-content/plugins/akismet/widget.php:126) in /home/dkamioka/kamioka.com.br/dkey/wp-content/plugins/wordpress-mobile-pack/plugins/wpmp_switcher/wpmp_switcher.php on line 506

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/dkamioka/kamioka.com.br/dkey/wp-content/plugins/akismet/widget.php:126) in /home/dkamioka/kamioka.com.br/dkey/wp-content/themes/mobile_pack_base/header.php on line 28

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/dkamioka/kamioka.com.br/dkey/wp-content/plugins/akismet/widget.php:126) in /home/dkamioka/kamioka.com.br/dkey/wp-content/themes/mobile_pack_base/header.php on line 29

Warning: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at /home/dkamioka/kamioka.com.br/dkey/wp-content/plugins/akismet/widget.php:126) in /home/dkamioka/kamioka.com.br/dkey/wp-content/themes/mobile_pack_base/header.php on line 30
The Key. » Blog Archive » Todo jovem deveria ler

Todo jovem deveria ler

Acabei de ler um texto, que achei sinceramente que seria um texto chato e daqueles sermões de velhos que dizem entender tudo da vida, dizem saber tudo que nós jovens pensamos, dizem que isso, que aquilo… mas na real… não sabem nada.

Aquele tipo de cara que só sabe reclamar da juventude porque não se adaptou ao mundo, e ao se deparar com os jovens de hoje, apenas enxerga uma diferença tão grande com a sua criação e seus valores, que inconscientemente acaba tendo uma raiva dos mesmos (talvez por inveja, ou outro motivo irracional).

Bom, mordi a lingua.

O texto é muito bom, e aconselho a todos os jovens (eu diria dos 18 aos 35 anos talvez) ler o mesmo. Eu admito que me identifiquei muito em várias partes e vou tentar mudar o meu jeito de ser. Espero não ser uma promessa vazia, mas de verdade, quero que meus filhos tenham uma vida um pouco mais semelhante a que o texto fala como deveria ser.

Segue abaixo, com devidos créditos. Sério, leiam tudo. Se não tiverem tempo agora, guardem uns 10min. Vai valer a pena, eu garanto.

Meu filho, você não merece nada

“A crença de que a felicidade é um direito tem tornado despreparada a geração mais preparada”

Eliane Brum

Ao conviver com os bem mais jovens, com aqueles que se tornaram adultos há pouco e com aqueles que estão tateando para virar gente grande, percebo que estamos diante da geração mais preparada – e, ao mesmo tempo, da mais despreparada. Preparada do ponto de vista das habilidades, despreparada porque não sabe lidar com frustrações. Preparada porque é capaz de usar as ferramentas da tecnologia, despreparada porque despreza o esforço. Preparada porque conhece o mundo em viagens protegidas, despreparada porque desconhece a fragilidade da matéria da vida. E por tudo isso sofre, sofre muito, porque foi ensinada a acreditar que nasceu com o patrimônio da felicidade. E não foi ensinada a criar a partir da dor.

Há uma geração de classe média que estudou em bons colégios, é fluente em outras línguas, viajou para o exterior e teve acesso à cultura e à tecnologia. Uma geração que teve muito mais do que seus pais. Ao mesmo tempo, cresceu com a ilusão de que a vida é fácil. Ou que já nascem prontos – bastaria apenas que o mundo reconhecesse a sua genialidade.

Tenho me deparado com jovens que esperam ter no mercado de trabalho uma continuação de suas casas – onde o chefe seria um pai ou uma mãe complacente, que tudo concede. Foram ensinados a pensar que merecem, seja lá o que for que queiram. E quando isso não acontece – porque obviamente não acontece – sentem-se traídos, revoltam-se com a “injustiça” e boa parte se emburra e desiste.

Como esses estreantes na vida adulta foram crianças e adolescentes que ganharam tudo, sem ter de lutar por quase nada de relevante, desconhecem que a vida é construção – e para conquistar um espaço no mundo é preciso ralar muito. Com ética e honestidade – e não a cotoveladas ou aos gritos. Como seus pais não conseguiram dizer, é o mundo que anuncia a eles uma nova não lá muito animadora: viver é para os insistentes.

Por que boa parte dessa nova geração é assim? Penso que este é um questionamento importante para quem está educando uma criança ou um adolescente hoje. Nossa época tem sido marcada pela ilusão de que a felicidade é uma espécie de direito. E tenho testemunhado a angústia de muitos pais para garantir que os filhos sejam “felizes”. Pais que fazem malabarismos para dar tudo aos filhos e protegê-los de todos os perrengues – sem esperar nenhuma responsabilização nem reciprocidade.

É como se os filhos nascessem e imediatamente os pais já se tornassem devedores. Para estes, frustrar os filhos é sinônimo de fracasso pessoal. Mas é possível uma vida sem frustrações? Não é importante que os filhos compreendam como parte do processo educativo duas premissas básicas do viver, a frustração e o esforço? Ou a falta e a busca, duas faces de um mesmo movimento? Existe alguém que viva sem se confrontar dia após dia com os limites tanto de sua condição humana como de suas capacidades individuais?

Nossa classe média parece desprezar o esforço. Prefere a genialidade. O valor está no dom, naquilo que já nasce pronto. Dizer que “fulano é esforçado” é quase uma ofensa. Ter de dar duro para conquistar algo parece já vir assinalado com o carimbo de perdedor. Bacana é o cara que não estudou, passou a noite na balada e foi aprovado no vestibular de Medicina. Este atesta a excelência dos genes de seus pais. Esforçar-se é, no máximo, coisa para os filhos da classe C, que ainda precisam assegurar seu lugar no país.

Page 1 of 3 | Next page